[Centro de recursos]     [Formação]     [Ateliers]     [e-Revista]     [Início] 

 

 

Ozarfaxinars

e-revista  ISSN 1645-9180

Direção: Jorge Lima   Edição e Coordenação: Fátima Pais

 

[Outros números publicados]

 

 

___49___

Maio 2015, atualizada em Julho 2015

 

Plano de formação de Agrupamento / Escola em 8 passos - Do caráter estratégico à conceção, avaliação e legislação que o suporta

Jorge Lima

 

 

 

Os Planos de Formação dos Agrupamentos/Escolas Associados(as) (PFA/E) estão na origem do Plano de Formação do CFAE_Matosinhos, documento que deve conter a explicitação do dispositivo de formação capaz de dar resposta àqueles planos.

 

No sentido de utilizarmos uma linguagem comum, para que, embora partindo de locais diferentes, possamos todos chegar a um ponto de encontro onde a articulação e as sinergias ocorram em terreno fértil, reunimos aqui um conjunto de dados e de pistas de reflexão sobre o plano de formação de um Agrupamento/Escola. Começamos por analisar os fundamentos que deverão estar na sua origem enquanto instrumento estratégico para a atividade do Agrupamento/Escola e para o desenvolvimento profissional docente e não docente. Depois, fazemos a distinção entre um levantamento de necessidades de formação e um PFA/E, apresentando sugestões de monitorização e avaliação. Destacamos de seguida a legislação que suporta o PFA/E em geral e a formação contínua docente em particular. Finalmente, terminamos propondo 8 passos para a conceção de um Plano de Formação de um Agrupamento/Escola.

 

 

PFA/E ao serviço de um projeto e do desenvolvimento profissional

 

Que papel está reservado para o PFA/E no seio da organização em que se insere? E para os intervenientes nele envolvidos? Perspetivaremos de seguida fundamentos em que deverá radicar o PFA/E enquanto instrumento ao serviço de um projeto estratégico da organização e veiculo do desenvolvimento profissional docente e não docente. [Ler mais]

 

 

Bolsa de Formadores Internos

 

Em cada CFAE constitui-se uma bolsa de formadores internos pelos docentes certificados pelo CCPFC, pertencentes aos quadros das escolas associadas nos termos previstos no Decreto-Lei n.º 22/2014, de 11 de fevereiro, e por outros técnicos das escolas associadas, devidamente certificados como formadores no quadro da formação contínua... [Ler mais]

 

Formadores

 

A bolsa de formadores internos é constituída por docentes acreditados pelo CCPFC pertencentes ao quadro das escolas associadas do CFAE.  [Ler mais]

 

Formandos

 

O docente, enquanto formando, tem o direito de: a) Escolher as ações de formação mais adequadas ao seu plano de desenvolvimento profissional e pessoal, sem prejuízo do cumprimento de programas ou prioridades definidos pela escola a que pertence ou pelos serviços centrais do Ministério da Educação e Ciência... [Ler mais]

 

 

Distinção entre um levantamento de necessidades de formação e um PFA/E

 

A oferta formativa deve ir ao encontro da resolução de problemas identificados ou partir da problematização de situações feita em contexto pelos intervenientes no processo formativo. Deste modo, considerando o horizonte temporal de um PFA/E, anual ou plurianual até um máximo de três anos, a oferta formativa deve estar focada de forma concreta nos problemas ou situações problematizadas selecionados e não no conjunto de necessidades de formação arroladas entre os intervenientes. [Ler mais]

 

 

Sobre o PFA/E - Contributos para a organização da formação contínua

 

Desimone (2009, p. 183) considera que seria impossível medir o desenvolvimento profissional docente ou transformá-lo se não se identificasse o que é capaz de o determinar, e, para tanto, elenca cinco caraterísticas nucleares da formação docente... [Ler mais]

 

 

Nos bastidores das ações de formação

 

Antes da abertura da primeira sessão de uma ação de formação que integra um PFA/E ocorre um processo complexo de “bastidores” que passa despercebido à maioria dos envolvidos e que será interessante recordar aqui. [Ler mais]

 

 

Sugestões de monitorização e avaliação de um PFA/E

 

Uma forma de garantir a monitorização e avaliação do PFA/E é a criação de um Observatório de formação. (...) A avaliação do impacto da formação realizada implica um processo sistemático de recolha de dados sobre as ações, tendo por base critérios indicadores pré-estabelecidos, medindo não só o aproveitamento dos participantes mas também a transferência que fazem do que aprenderam para o seu dia-a-dia de trabalho e o que daí resulta, a médio prazo, para os resultados da organização. [Ler mais]

 

 

Plano de formação de um CFAE

 

O plano de formação é o instrumento de planificação das ações de formação a desenvolver pelo CFAE, podendo ter uma vigência anual ou plurianual até ao máximo de três anos. O plano de formação assenta num levantamento de necessidades e prioridades de formação das escolas associadas e dos seus profissionais.  [Ler mais]

 

 

O papel-chave do docente RPF – Responsável pelo Plano de Formação

 

O Decreto-Lei nº 127/2015, de 7 de Julho, que determina a organização e funcionamento dos CFAE, veio criar uma nova figura que tem um papel-chave na conceção e monitorização do PFA/E – o docente RPF – Responsável pelo Plano de Formação.  [Ler mais]

 

 

[Legislação que suporta o PFA/E e a formação contínua]

[Bibliografia]

[8 passos para conceber o PFA/E]

[Aplicação em Excel a utilizar pelos Agrupamentos/Escolas no envio do PFAE/E]

[Versão integral deste número em formato pdf]

 

 

 Agradecemos, desde já, a sua opinião sobre este número - ozarfaxinars@gmail.com

 

 

© CFAE_Matosinhos