[Centro de recursos]     [Formação]     [Ateliers]     [e-Revista]     [Início] 

 

 

Ozarfaxinars

e-revista  ISSN 1645-9180

Direção: Jorge Lima   Edição e Coordenação: Fátima Pais

 

[Outros números publicados]

 

 

___68___

Março 2017

 

Projeto: Teatrus (AE Senhora da Hora)

Nuno Quintela

 

A OZARFAXINARS retoma a divulgação de projetos em desenvolvimento nas nossas Escolas Associadas contribuindo para a sua visibilidade e partilha. Dedicamos este número ao projeto Teatrus - Grupo de Teatro da Escola Básica da Senhora da Hora, AE Senhora da Hora.

 

 

O grupo Teatrus

 

Criado em 1996, o TEATRUS é o grupo de teatro da Escola Básica da Senhora da Hora, AE Senhora da Hora,

apresentou variados trabalhos cénicos, tendo realizado, até à data, 834 espectáculos .

 

Dinamizador

 

Nuno Quintela

 Licenciado em Biologia - Ramo de Formação Educacional, pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e Mestre em Promoção/Educação para a Saúde, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Exerceu os cargos de Presidente do Conselho Diretivo na ES do Morgado de Mateus, entre 1990 e 1994, de Diretor de Turma, Representante de Grupo, Elemento da Comissão Pedagógica do Centro de Formação de Professores do Concelho de Vila Real, Coordenador dos Projetos “Viva a Escola” e “Projeto de Férias” do Programa de Promoção e Educação para a Saúde,  Presidente do Conselho Geral e é, atualmente, elemento do Conselho Geral do AE Senhora da Hora.

 

Objetivos

 

Descobrir capacidades e desenvolvê-las.

Incentivar o trabalho em grupo e a entreajuda.

Desenvolver a criatividade, a autoconfiança, o espírito crítico (e em especial a autocrítica),

a autonomia, o sentido artístico e estético e a sociabilidade.

Ocupar os tempos livres.

Animar culturalmente a escola e o meio.

Contribuir para tornar a escola mais agradável.

Trazer os pais e outros à escola.

 

Trabalhos cénicos realizados

 

 

 

- O Autocarro dos Sorrisos

- O Dragão Verde

- Arco-Iris

- Momentos

- O Caso do Lípido Gorduroso

- S.O.S. Terra

- A Máquina Fantástica

- A Mar

- A que sabe a Lua

- A Relíquia

- A Revolta do Organismo

- Amorosa, a Bruxinha

- Aqui Há Gatos

- Auto Da Barca do Inferno

- Auto da Barca do Castigo

- Eu, Tu, Ele, Nós, Vós, Eles

- Guerra ou Paz?

- Alice no País das Maravilhas

- Chapeuzinho Vermelho

- Circo Fantasia

- Clowns

- Fernão Capelo Gaivota

- Guerra e Paz no Tabuleiro de Xadrez

- Vidas de Adolescentes

- O Quarto dos Brinquedos

- Ploc, a Borboleta

- The Best of Lusíadas

- Vamos lá, pessoal!

- Testemunhos

- O Príncipe com Orelhas de Burro

- O Principezinho

- O Roubo das Cebolinhas

- Olha o Passarinho

- Pluft, o Fantasminha

- Rir Faz bem à saúde

- Sombras Chinesas

- Tonecadas

- O Camaleão Alface Volta a Atacar

 

Alguns destaques

 

Auto da Barca do Inferno

(2016)

 Gil Vicente 

 

 

 [Folheto]

 

O Auto da Barca do Inferno é uma complexa alegoria dramática, representada pela primeira vez em 1517. É a primeira parte da chamada trilogia das Barcas, sendo que a segunda e a terceira são, respectivamente, o Auto da Barca do Purgatório e o Auto da Barca da Glória. Diz-se “Barca do Inferno” porque quase todos os candidatos às duas barcas em cena – a do Inferno, com o seu Diabo (mais Diabrete), e a da Glória, com o Anjo – seguem na primeira. De facto, contudo, ela é mais o auto do julgamento das almas.

 

 

Circo Fantasia

(2016)

Gualberto Gonçalves Silva

 

 

[Folheto]   [Cartaz]

 

E vamos brincar ao circo! O palhaço Pipoca está ansioso por atuar, mas pela frente tem uma apresentadora inflexível que não quer alterar o programa previamente estabelecido. Será que o palhaço se vai conformar e vai deixar atuar os outros artistas ou, pelo contrário, lhes vai pregar umas boas partidas?

 

 

O Dragão Verde

(2016)

 Adaptação de Maria Clara Machado

 

 

[Folheto]   [Cartaz]

 

O Reino de Verdes Campos está ameaçado pelo Dragão Verde, que dizima a sua população. Desesperado, o Rei Roberto promete a mão da sua única filha, a Princesa Feiona, a quem conseguir matar o Dragão Verde. Três candidatos propõem-se matá-lo para se casarem com a Princesa Feiona. No entanto, surge um outro candidato, o jardineiro do Palácio Real que, apaixonado por Feiona, arranja coragem para enfrentar o temível Dragão Verde. Será que ele vai conseguir matar o dragão e conquistar a sua amada?

 

 

Alice no País das Maravilhas

(2015)

Lewis Carrol 

 

 

[Folheto]

 

Esta peça baseia-se no texto adaptado por Filipe La Féria de Alice no País das Maravilhas,

de Lewis Carrol, e da obra deste mesmo autor Alice do Outro Lado do Espelho.

A imaginação reina como senhora absoluta.

Alice tem um sonho fantástico em que domina o absurdo, um nonsense delirante, onde tudo é possível.

 

 

Auto da Barca do Castigo

(2014)

Sara Rodrigues

 

 

[Folheto]   [Cartaz]

 

E se as barcas de Gil Vicente ganhassem novas cores e formas e, em vez de levarem os homens e mulheres do século XV para o Paraíso ou para o Inferno, levassem os meninos de hoje para umas férias de sonho ou de castigo?

Essa é a premissa de Auto da Barca do Castigo.

 

 

Arco-Íris

(2013)

 

 

[Folheto]   [Cartaz]

 

Nesta história vamos ver três Duendes a pregarem uma partida às cores do Arco-Íris, fazendo com que elas se zanguem umas com as outras. Com a ajuda da Borboleta, as cores vão chegar a acordo e ficar de novo amigas. Mas os Duendes não se vão ficar a rir, pois o Trovão e o Vento vão castigá-los por causa das suas patifarias.

 

 

Outras peças

 

[A máquina fantástica] (2013)

[Olha o Passarinho!]  (2012)

[O roubo das cebolinhas]  (2015)

[Aqui há gatos!]  (2013)

[Amorosa, a bruxinha]  (2014)

 

Relatos na primeira pessoa

 

 

 

Apoios

 

União de Freguesias de S. Mamede Infesta e Senhora da Hora

Associação de Pais da Escola Básica da Senhora da Hora

 

Referências

 

[A contribuição e a importância do teatro no desenvolvimento da criança]

in Jorge Ramos, Dissertação apresentada no Mestrado em Educação, Área de Especialização em Educação Artística,

IPVC - Instituto Politécnico de Viana do Castelo

 

[O teatro na escola é uma necessidade no quotidiano do aluno]

Luciana Dolci, in A Página da Educação, nº 141, Janeiro de 2005

 

Agradecemos, desde já, a sua opinião sobre este número - ozarfaxinars@gmail.com

 

 

© CFAE_Matosinhos